Ambiental Ceará recebe 32 jovens do programa Primeiro Passo

Postado por ambientalceara em 09/fev/2024 - Sem Comentários

O grupo foi selecionado a partir do convênio firmado entre a empresa e o governo do Ceará

A segunda-feira (5) marcou o início de uma nova rotina de trabalho e estudos para 32 jovens aprendizes que, agora, fazem parte da missão da Ambiental Ceará de universalizar o esgotamento sanitário em 24 cidades cearenses. Eles foram selecionados a partir do convênio firmado entre a empresa e o governo do Ceará, por meio do Programa Primeiro Passo.

Ao longo de 11 meses, eles vão cumprir carga horária de estágio nas unidades da Ambiental Ceará, nas regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri, e frequentar as aulas de capacitação oferecidas pelo programa. Para Carlos Eduardo da Costa, 19, a seleção foi uma “união de propósitos” que estão abrindo muitas portas para ele. “Somos só eu e minha mãe em casa, e com essa oportunidade, vou poder me profissionalizar e ajudar mais nas contas do mês. Já estou me programando, também, para guardar um pouco pro futuro. E claro, vou me esforçar para crescer na empresa”, projeta.

A vida de Carlos, inclusive, vem sendo permeada por ações da Ambiental Ceará ao longo dos últimos meses. Morador do bairro Vila Velha 4, em Fortaleza, ele está acompanhando as obras de implantação de 2,3km de novas redes coletoras de esgoto. “Aqui na rua são cerca de 200 casas, todas vão se conectar à rede e isso vai ser importante pro nosso bairro”, explica. Além disso, a mãe dele é uma das participantes do Afluentes, programa de relacionamento da empresa com a comunidade. “Foi uma porta grande que Deus abriu nas nossas vidas”, celebra.

Para Flaviana Alves, 21, o estágio na Ambiental Ceará vai ser a oportunidade de adquirir conhecimento profissional em uma companhia que se baseia em valores que ela também acredita. “Percebi que é uma empresa que se preocupa com o bem-estar das pessoas e busca o melhor para a sociedade. Estou com sede de entrar no mercado de trabalho e essa é uma chance importante”, defende.

Pedro Henrique Landim, 20, mora em Juazeiro do Norte e foi selecionado para atuar na base da Região Metropolitana do Cariri. Ele conta que esta é a segunda experiência profissional, mas que, neste momento, a expectativa de aprendizado está ainda maior. “Achei o projeto da empresa muito importante, pois é um trabalho que busca trazer uma vida mais digna para as pessoas. Quero aprender o máximo possível, principalmente sobre o tratamento de esgoto. Este é um passo importante na minha vida, pois, além de fornecer um meio de subsistência, também é uma fonte de realização pessoal e profissional, contribuindo para a autoestima, a autoconfiança e a sensação de propósito”, afirma o jovem aprendiz.

Integração dos jovens aprendizes na base da Ambiental Ceará em Juazeiro do Norte.

Capacitação e emprego

Junto da missão de universalizar o acesso à coleta e ao tratamento de esgoto em 24 cidades cearenses, a Ambiental Ceará assumiu o compromisso de priorizar a mão de obra local nas contratações. Ao longo da operação, a empresa projeta gerar 10 mil empregos diretos e indiretos no estado.

“Receber esses jovens tem um simbolismo muito importante para a nossa operação. É a primeira oportunidade de trabalho de muitos deles, e dentro de uma empresa que está executando um projeto transformador, que vai levar esgotamento sanitário, saúde, qualidade de vida e muitas mudanças para 4,3 milhões de cearenses. Cada um desses aprendizes vai aprender, também, a importância da universalização e fazer parte dessa nova história que estamos construindo”, explica o diretor-presidente da Ambiental Ceará, André Facó.

“Por meio do Primeiro Passo, estamos oportunizando a qualificação e a entrada desses jovens no mercado de trabalho. Eles vão passar 11 meses se qualificando e treinando aquilo que aprenderam. E quem sabe, no futuro, serão contratados na empresa”, reforça Paulo Guedes, secretário executivo de Proteção Social no Ceará, pasta responsável pela execução do Programa Primeiro Passo.

PPP do esgotamento sanitário

Por meio da Parceria Público-Privada (PPP) firmada com a Cagece, a Ambiental Ceará é responsável pela ampliação, operação e manutenção do sistema de esgotamento sanitário em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. A PPP atende 4,3 milhões de cearenses e, ao todo, R$ 6,2 bilhões serão investidos em obras. A PPP visa promover o avanço do esgotamento sanitário para 90% da população até o ano de 2033, avançando para 95% em 2040.

Ambiental Ceará recebe executivos do IBEF Ceará em visita à sede administrativa

Postado por ambientalceara em 02/fev/2024 - Sem Comentários

Tecnologia de operação, governança, ESG, investimentos e as transformações trazidas pela universalização do esgotamento sanitário foram alguns dos temas abordados, na manhã desta sexta-feira (2), durante o encontro entre a diretoria da Ambiental Ceará e os associados do Instituto Brasileiro dos Executivos de Finanças no Ceará (IBEF Ceará). A reunião aconteceu na sede administrativa da Ambiental Ceará, no BS Design, e foi conduzida pelo diretor-presidente, André Facó, e pela diretora de Relações Institucionais, Águeda Muniz, que também está como diretora vogal do IBEF Ceará.

“Foi o momento de reforçar nossas missões e desafios para levar o serviço de coleta e tratamento de esgoto a 4,3 milhões de cearenses em 24 cidades. Falamos sobre inovações no dia a dia, sobre o relacionamento com a comunidade e detalhamos o modelo da Parceria Público-Privada em que estamos inseridos com a Cagece”, destacou André Facó.

“Há alguns anos, o IBEF vem quebrando barreiras, reunindo pessoas de diversos segmentos e promovendo trocas entre elas. Nossos sócios são de áreas diferentes, e querem conhecer novos negócios, por isso a importância desse encontro com a Ambiental Ceará”, disse o presidente do Ibef Ceará, Ives Castelo Branco.

Além de serem apresentados ao modelo de atuação da PPP, os convidados conheceram o Centro de Operações Integradas (COI) da Ambiental Ceará, que acompanha, 24h por dia, cerca de 400 equipamentos, entre Estações de Tratamento e Elevatórias de Esgoto (ETEs e EEEs), além das rotinas das equipes operacionais em campo.

PPP do esgotamento sanitário

Por meio da Parceria Público-Privada (PPP) firmada com a Cagece, a Ambiental Ceará é responsável pela ampliação, operação e manutenção do sistema de esgotamento sanitário em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. A PPP atende 4,3 milhões de cearenses e, ao todo, R$ 6,2 bilhões serão investidos em obras. A PPP visa promover o avanço do esgotamento sanitário para 90% da população até o ano de 2033, avançando para 95% em 2040.

Ambiental Ceará intensifica ações preventivas na rede de esgoto para quadra chuvosa

Postado por ambientalceara em 09/jan/2024 - Sem Comentários

Mais de 1.500 PVs foram nivelados e alinhados ao pavimento de avenidas e ruas de grande fluxo nas cidades atendidas pela empresa

O início da quadra chuvosa no estado está relacionado a uma série de medidas preventivas e ações especiais, no sistema de esgotamento sanitário, para evitar a sobrecarga da rede de coleta nesse período. A Ambiental Ceará, empresa responsável pela operação do esgoto em 24 cidades cearenses, incluindo Fortaleza, está realizando desde serviços preventivos de limpeza e desobstrução de redes a melhorias estruturais em Estações de Tratamento e Elevatórias de Esgoto (ETEs e EEEs) para garantir mais segurança e eficiência operacional do sistema.

Em Fortaleza, as equipes da Ambiental Ceará realizaram limpeza e desobstrução de rede do Polo Turístico e Gastronômico da Varjota, e estão executando uma força-tarefa com o mesmo tipo de serviço em diversas áreas da cidade. Nos municípios da Região Metropolitana do Cariri atendidos pela empresa, foram mapeados 64 pontos críticos, com histórico de extravasamento, para monitoramento ainda mais dedicado neste período. 

Visando garantir agilidade nos reparos, estão previstas instalações de painéis de telemetria, que permitem monitorar ETEs e EEEs na Capital, em Caucaia e Trairi, e nos distritos de Lagoinha (Paraipaba), Croatá e Pecém (ambos em São Gonçalo do Amarante). Além disso, novos painéis de automação serão implantados nas Estações de Maracanaú, Eusébio, Aquiraz, Itaitinga e Maranguape.

Acompanhamento remoto

Além dessas melhorias, a Ambiental Ceará faz o monitoramento em tempo real, 24h por dia, de toda a operação de esgotamento sanitário e de mais 400 equipamentos, entre ETEs e EEEs, a partir dos Centros de Operação Integrada (COI), instalados em Fortaleza, Maracanaú e Juazeiro do Norte. As unidades de controle realizam, também, o acompanhamento de Poços de Visita (PVs), popularmente conhecidos como tampas de esgoto, por meio de sensores de volume. Quando a capacidade está acima do limite, o sistema emite um alerta e as equipes entram em ação, evitando extravasamentos.

Mais de 1.500 PVs foram nivelados e alinhados ao pavimento de avenidas e ruas de grande fluxo, nas cidades atendidas pela empresa. A medida proporciona mais segurança no trânsito, evitando o acúmulo de lâminas d’água em áreas de desnível, e que acabam causando acidentes; e permite o isolamento da rede subterrânea de esgoto, reduzindo a absorção de água da chuva. 

“Investimos constantemente em tecnologia para garantir eficiência operacional e atingir a meta de universalizar o acesso à coleta e ao tratamento de esgoto, e no período de chuvas, a operação fica ainda mais intensa, para evitar extravasamentos. Um aspecto importante e queremos chamar a atenção é que, em muitos casos, o sistema de esgotamento sanitário fica sobrecarregado porque recebe, de forma irregular, a água que deveria ir para a rede de drenagem. Então, reforçamos com a população para que verifiquem as conexões dos imóveis, destinando esgoto e água de chuva para as tubulações adequadas”, destaca o diretor de Operações da Ambiental Ceará, Fernando Lima. 

A rede de esgotamento sanitário coleta o esgoto dos imóveis e o direciona para as Estações de Tratamento, onde será devidamente tratado antes de retornar ao meio ambiente. Já a rede de drenagem de água pluvial recebe a água proveniente das chuvas e direciona para rios, lagos e mares, evitando alagamentos nas cidades.

De acordo com Fernando, além do despejo da drenagem, o descarte incorreto de lixo na rede de esgoto é um dos principais causadores de obstruções e outros problemas no sistema. Os itens mais comuns de serem encontrados nas tubulações são fraldas descartáveis, sacolas, preservativos e óleo de cozinha.

PPP do esgotamento sanitário

Por meio da Parceria Público-Privada (PPP) firmada com a Cagece, a Ambiental Ceará é responsável pela ampliação, operação e manutenção do sistema de esgotamento sanitário em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. A PPP atende 4,3 milhões de cearenses e, ao todo, R$ 6,2 bilhões serão investidos em obras. A PPP visa promover o avanço do esgotamento sanitário para 90% da população até o ano de 2033, avançando para 95% em 2040.

Para solicitações de extravasamento, moradores podem entrar em contato com a Cagece pelos canais de atendimento como o aplicativo Cagece App (disponível para Android e iOS) ou por meio da Gesse, assistente virtual que atende no portal da companhia (www.cagece.com.br), além da Central de Atendimento (0800 275 0195).

Em último encontro do ano, líderes de comunidades celebram o Afluentes, programa de relacionamento da Ambiental Ceará

Postado por ambientalceara em 22/dez/2023 - Sem Comentários

A empresa reuniu cerca de 100 participantes do programa Afluentes de nove municípios da Região Metropolitana de Fortaleza para a última atividade de 2023

Uma das ferramentas da universalização do esgotamento sanitário empregadas pela Ambiental Ceará é o constante diálogo com a população, bem como ações sociais com as comunidades diretamente ligadas às obras e à operação do sistema. Para encerrar o ano, a empresa promoveu, na quinta-feira (21), a última roda de conversa do ano com os moradores e lideranças participantes do programa Afluentes de nove municípios da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) atendidos. O encontro reuniu cerca de 100 pessoas na Escola Maria Pereira da Silva, em Maracanaú.

O Programa Afluentes foi criado pela Aegea – empresa controladora da Ambiental Ceará e líder em saneamento privado no Brasil – para promover a comunicação entre a comunidade e as concessionárias ao redor do país. No estado, a iniciativa aproxima as equipes da Ambiental Ceará dos moradores, permitindo que elas conheçam as necessidades de cada local e recebam sugestões para melhorar os serviços prestados. O programa é realizado por meio de encontros com lideranças comunitárias.

Dessa vez, o evento reuniu Afluentes de Aquiraz, Cascavel, Chorozinho, Eusébio, Guaiúba, Horizonte, Itaitinga, Maracanaú, Maranguape, Pacajus e Pacatuba. Em 2023, a empresa realizou o mapeamento das lideranças dessas cidades e promoveu rodas de conversa sobre operação e ampliação do acesso à coleta e ao tratamento de esgoto no município.

“A gente não faz nada só. A tarefa principal da Ambiental Ceará é realizar o esgotamento sanitário em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. Mas sem os Afluentes nada disso seria possível, pois são os influenciadores da saúde e da dignidade no Ceará”, pontuou a diretora de Relações Institucionais da Ambiental Ceará, Águeda Muniz, frisando a relevância desses encontros para o avanço das obras.

O Programa Afluentes aproxima as equipes da Ambiental Ceará dos moradores.

Gilvan Cunha, 57, poeta e agente de endemias, via o esgotamento sanitário no Eusébio como uma realidade distante, mas entra o novo ano com uma boa perspectiva para o futuro. “A Ambiental Ceará tem nos atendido, e alguns bairros do Eusébio estão com as obras avançadas. Vejo uma perspectiva muito boa para o futuro. A empresa parece estar aberta a ouvir, dar resposta imediata e botar a mão na massa para fazer o trabalho que precisamos, que é botar cano na nossa rua para sanear”, comemora o morador.  

O poeta e agente de endemias, Gilvan Cunha, entra o novo ano com uma boa perspectiva para o futuro.

Para Berenice Ferreira, 53, moradora do bairro Piratininga, em Maracanaú, a comunidade sofre pela falta de esgotamento sanitário e aguarda ansiosa pelas obras no local. “Por mais que eu tenha tempo de liderança comunitária, a gente nunca viu uma empresa com tanta responsabilidade social. Quando se trabalha esse elo com a comunidade, as coisas tendem a fluir. Essa é uma empresa que se aproxima e conversa com a população. Sou uma Afluente com muito gosto e visto essa camisa com vontade, porque espero que nossa comunidade seja privilegiada, o quanto antes, com esse projeto”, avalia a líder comunitária.

Moradora do bairro Piratininga, em Maracanaú, Berenice Ferreira aguarda ansiosa pelas obras no local.

Os Afluentes desempenham um papel importante nas comunidades onde moram, sendo disseminadores dos benefícios relacionados ao esgotamento sanitário. A iniciativa é executada nas 24 cidades cearenses atendidas pela empresa.

O diálogo com a comunidade é um dos pilares da Ambiental Ceará para garantir a universalização do esgotamento sanitário.

Trabalho para a universalização

A Ambiental Ceará já implantou, em 2023, cerca de 50 km de redes coletoras de esgoto nas cidades atendidas pela empresa, beneficiando mais de 32,7 mil famílias. Com essa infraestrutura, novos imóveis poderão se conectar ao sistema de esgotamento sanitário, permitindo que o esgoto seja coletado e tratado da forma adequada.

PPP do esgotamento sanitário

Por meio da Parceria Público-Privada (PPP) firmada com a Cagece, a Ambiental Ceará é responsável pela ampliação, operação e manutenção do sistema de esgotamento sanitário em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. A PPP atende 4,3 milhões de cearenses e, ao todo, R$6,2 bilhões serão investidos em obras. A PPP visa promover o avanço do esgotamento sanitário para 90% da população até o ano de 2033, avançando para 95% em 2040.

Ambiental Ceará reúne lideranças em última roda de conversa de 2023

Postado por ambientalceara em 19/dez/2023 - Sem Comentários

Os convidados fazem parte do programa Afluentes, que cria um canal aberto e direto de relacionamento entre a empresa e a comunidade

A Ambiental Ceará promove, nesta quinta-feira (21), às 17h, a última roda de conversa do ano com os moradores e lideranças participantes do programa Afluentes de nove municípios da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) atendidos pela empresa. O encontro será na Escola Maria Pereira da Silva, em Maracanaú, e celebra, também, todas as atividades realizadas ao longo de 2023 pelo grupo. 

O Afluentes foi criado pela Aegea – empresa controladora da Ambiental Ceará e líder em saneamento privado do Brasil. O projeto promove um canal aberto de comunicação entre a comunidade e a empresa. Por meio do contato com as lideranças de comunidades, o Afluentes aproxima as equipes dos moradores, permitindo que conheçam mais a fundo as necessidades de cada local e recebam sugestões acerca dos serviços prestados.

O evento vai reunir Afluentes de Aquiraz, Cascavel, Chorozinho, Eusébio, Guaiúba, Horizonte, Itaitinga, Maracanaú, Maranguape, Pacajus e Pacatuba. Em 2023, as equipes da Ambiental Ceará fizeram o mapeamento das lideranças dessas cidades e promoveram rodas de conversa sobre a atuação da empresa na operação e ampliação do acesso à coleta e ao tratamento de esgoto no município. 

Além da interação direta com a Ambiental Ceará, os Afluentes desempenham um papel importante nas comunidades onde moram, sendo disseminadores dos benefícios relacionados ao esgotamento sanitário. A iniciativa é executada nas 24 cidades cearenses atendidas pela empresa. 

O último evento na EPC reuniu 400 afluentes em Fortaleza. Foto: Esdras Nogueira/Ambiental Ceará.

Trabalho para a universalização

A Ambiental Ceará já implantou, em 2023, cerca de 50 km de redes coletoras de esgoto nas cidades atendidas pela empresa, beneficiando mais de 32,7 mil famílias. Com essa infraestrutura, novos imóveis poderão se conectar ao sistema de esgotamento sanitário, permitindo que o esgoto seja coletado e tratado da forma adequada.

PPP do esgotamento sanitário

Por meio da Parceria Público-Privada (PPP) firmada com a Cagece, a Ambiental Ceará é responsável pela ampliação, operação e manutenção do sistema de esgotamento sanitário em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. A PPP atende 4,3 milhões de cearenses e, ao todo, R$6,2 bilhões serão investidos em obras. A PPP visa promover o avanço do esgotamento sanitário para 90% da população até o ano de 2033, avançando para 95% em 2040.

SERVIÇO

Último encontro do Afluentes em 2023, na RMF

Dia 21/12 (quinta-feira)

Às 17h

EMEF Maria Pereira da Silva (Rua Justino de Sousa, 842, Pajuçara. Maracanaú)

Obras no Vila Velha levam esgotamento sanitário a 3 mil pessoas

Postado por ambientalceara em 18/dez/2023 - Sem Comentários

Moradores celebram início das intervenções que vão implantar 2,3 km de novas redes de esgoto no bairro

Alguns moradores do bairro Vila Velha 4, em Fortaleza, já não acreditavam mais que o esgotamento sanitário se tornasse realidade. Mas a chegada das equipes da Ambiental Ceará trouxe esperança de um novo cenário. “Até que enfim vai tirar essa lama da porta da gente, porque o mau cheiro é muito grande. Não acreditava mais que viesse, não. Vai ficar bom e mudar muita coisa.”, celebrou a dona de casa Francisca Barbosa, 63, que acompanha de perto o andamento das obras. 

Francisca faz parte dos cerca de 3 mil moradores do bairro beneficiados com a implantação de 2,3 km de redes de coleta de esgoto. Após a obra, residentes de 650 imóveis poderão se conectar ao sistema de esgotamento sanitário. Até então, o Vila Velha 4 não possuía nenhuma estrutura desse tipo, e os efluentes eram despejados na rua ou em tubulações clandestinas.

O sentimento de alegria pelas obras se repetiu no comércio de Elisângela de Sousa, 43, que há mais de duas décadas aguardava o saneamento na rua Maria Zenóbio Carneiro, a primeira a receber intervenções no bairro. “Espero essa obra há muito tempo, desde que cheguei aqui com minha família. A gente empurrava a lama e ainda causava confusão com os vizinhos, porque ninguém quer lama na sua porta. A gente quer que melhore do jeito que está acontecendo”, avalia a comerciante.

Há poucos passos dali, também era possível compartilhar a comemoração da microempreendedora Cheila Nogueira, 51. “Glória a Deus! Foi muita promessa, mas finalmente o dia chegou. Todos os dias, eu tinha que limpar o lixo da porta de casa e ainda me sujar de lama. Vale a pena essa poeira, porque um dia acaba e fica a limpeza na frente da nossa casa”, celebrou. A obra beneficia, também, dois filhos e um irmão dela, todos vizinhos da microempreendedora.

Cheila Nogueira, moradora do Vila Velha 4. Foto: Esdras Nogueira/Ambiental Ceará.

“Essa obra do Vila Velha 4 representa bem as intervenções que a Ambiental Ceará tem feito ao longo deste ano, priorizando as áreas em que veremos grandes transformações a partir da chegada do esgotamento sanitário. E aqui, além de garantir mais saúde, qualidade de vida e bem-estar para a população, estamos contribuindo para a preservação do Rio Ceará, que corre aqui próximo”, destaca o diretor de Operações da Ambiental Ceará, Fernando Lima. 

Universalização do serviço

A implantação de rede no bairro integra as ações da empresa para universalizar o acesso à coleta e ao tratamento de esgoto em 24 cidades das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri, incluindo a Capital. Até o momento, quase 50 km de novas redes de coleta foram instaladas nas cidades, permitindo que 32,7 mil imóveis se conectem ao sistema de esgotamento sanitário. 

Além de solucionar o problema do esgoto a céu aberto, as obras de ampliação estão associadas a benefícios como redução de doenças e aumento na produtividade dos trabalhadores, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Trata Brasil. 

De acordo com o estudo, a partir da universalização do esgotamento sanitário, o Ceará vai somar R$ 36,8 bilhões em benefícios sociais, entre 2023 e 2040. Esse valor considera a redução dos custos em saúde, o aumento na produtividade do trabalho e as rendas geradas com valorização imobiliária e atividades turísticas, além de indicadores como as rendas geradas pelo investimento nas obras e na operação do saneamento.

PPP do esgotamento sanitário

Por meio da Parceria Público-Privada (PPP) firmada com a Cagece, a Ambiental Ceará é responsável pela ampliação, operação e manutenção do sistema de esgotamento sanitário em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. A PPP atende 4,3 milhões de cearenses e, ao todo, R$6,2 bilhões serão investidos em obras. A PPP visa promover o avanço do esgotamento sanitário para 90% da população até o ano de 2033, avançando para 95% em 2040.

Ambiental Ceará promove festa natalina para crianças do bairro Malvinas neste sábado (16)

Postado por ambientalceara em 15/dez/2023 - Sem Comentários

Ação integra o programa de voluntariado da empresa e deve atender cerca de 150 crianças

A Ambiental Ceará realiza, neste sábado (16), ação voluntária para comemorar o Natal de crianças atendidas pela Sociedade de Apoio à Família (Soafa), em Barbalha. A programação inclui atividades recreativas, apresentação teatral e distribuição de presentes, e será conduzida pelos colaboradores da empresa, dentro do programa de voluntariado da Ambiental Ceará. 

“É a nossa segunda ação de voluntariado no Cariri, e será ainda mais especial, porque vamos promover atividades em um bairro que foi recentemente beneficiado com obras de esgotamento sanitário, trazendo melhorias para a população. E agora, com essas brincadeiras e muita diversão para as crianças, vamos estar ainda mais próximos da comunidade, estimulando o trabalho voluntário e promovendo um Natal diferente”, destaca a diretora de Relações Institucionais da Ambiental Ceará com foco no Cariri, Carolina Serafim.

A sede da Soafa fica no bairro Malvinas, onde a Ambiental Ceará implantou 5 km de novas redes coletoras, beneficiando mais de 4 mill pessoas com acesso ao sistema de esgotamento sanitário e pondo fim ao cenário de esgoto correndo a céu aberto. Dessa forma, a ação social na região é uma forma de a empresa fortalecer a relação com a comunidade e reforçar os benefícios da coleta e tratamento de esgoto. 

As atividades iniciam às 8h, na sede da ONG, com brincadeiras tradicionais, pintura de rosto e ações lúdicas, que terão, também, a participação de membros da Soafa. A programação contempla, ainda, a apresentação da peça “Ana Cacimba e o Ciclo do Saneamento”, criada e encenada por colaboradores da Ambiental Ceará e que conta a história de uma criança que tem o desafio de escrever uma redação sobre saneamento. Para isso, ela encontra, no processo de escrita, personagens fantásticos: a Água, o Esgoto, os Resíduos Sólidos e a Chuva. A manhã festiva será encerrada pelo Papai Noel, que distribuirá presentes para as cerca de 150 crianças aguardadas na ação. 

O Programa de Voluntariado da Aegea – empresa líder em saneamento privado do Brasil e controladora da Ambiental Ceará – visa estimular que os colaboradores liderem ações sociais e, com isso, o trabalho voluntário seja um valor dentro da empresa. 

PPP do esgotamento sanitário

Por meio da Parceria Público-Privada (PPP) firmada com a Cagece, a Ambiental Ceará é responsável pela ampliação, operação e manutenção do sistema de esgotamento sanitário em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. A PPP atende 4,3 milhões de cearenses e, ao todo, R$6,2 bilhões serão investidos em obras. A PPP visa promover o avanço do esgotamento sanitário para 90% da população até o ano de 2033, avançando para 95% em 2040.

SERVIÇO

Ação de voluntariado da Ambiental Ceará em Barbalha
Sábado (16)
A partir das 8h
Sede da Soafa (Rua P-10, 86 – Malvinas. Barbalha)

Ambiental Ceará assina contrato de R$ 556 milhões com Banco do Nordeste para financiar obras de saneamento

Postado por ambientalceara em 11/dez/2023 - Sem Comentários

O recurso está atrelado ao alcance das metas de universalização do esgotamento sanitário, definidas pelo Novo Marco Legal do Saneamento

A Ambiental Ceará assinou, na manhã desta segunda-feira (11) contrato de financiamento de R$556 milhões, junto ao Banco do Nordeste (BNB), para serem aplicados na operação e em obras de infraestrutura de esgotamento sanitário nas cidades atendidas pela Parceria Público-Privada (PPP) firmada com a Cagece. A cerimônia de assinatura ocorreu no Palácio da Abolição e contou com a presença da vice-governadora do Ceará, Jade Romero, representando o governador do Estado, Elmano de Freitas. 

Além da vice-governadora, estavam na solenidade o diretor-presidente da Ambiental Ceará, André Facó, o presidente da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), Neuri Freitas, e o presidente do BNB, Paulo Câmara. O financiamento está atrelado ao alcance das metas de universalização do esgotamento sanitário, definidas pelo Novo Marco Legal do Saneamento.  

Os recursos serão utilizados em 17 das 24 cidades onde a Ambiental Ceará atua: Maracanaú, Aquiraz, Cascavel, Chorozinho, Eusébio, Guaiúba, Horizonte, Itaitinga, Maranguape, Pacajus, Pacatuba, Juazeiro do Norte, Barbalha, Missão Velha, Farias Brito, Nova Olinda e Santana do Cariri.

“Dos lares que serão impactados com as obras financiadas por esse recurso, 57% são chefiados por mulheres, que serão beneficiadas com melhorias na saúde, produtividade e geração de emprego. Quero parabenizar todo o esforço realizado para avançar nos investimentos e no compromisso com o aumento da participação de mulheres em cargos de  lideranças e com a igualdade racial, com o aumento da participação de negros e negras em lideranças. Esses são valores fundamentais que se conectam com os valores do nosso governo. Temos um investimento desse montante para trazer mais dignidade à população cearense”, celebrou a vice-governadora do Ceará, Jade Romero. A falta de esgotamento sanitário no Estado, segundo ela, é um “problema complexo” cuja solução demanda planejamento e injeção de recursos.

O valor será utilizado para melhorar a qualidade de vida da população nos próximos dois anos. “Esse investimento será totalmente direcionado para atingirmos as metas de cobertura e fazer as melhorias nos sistemas já existentes, com impacto direto na educação, saúde, turismo e economia. Essa relação direta entre saneamento básico e qualidade de vida foi evidenciada em uma pesquisa recente do Instituto Trata Brasil. Para se ter uma ideia, a ampliação do acesso à água tratada e à coleta de esgoto pode gerar mais de R$36,8 bilhões em ganhos socioeconômicos no Ceará, entre 2023 e 2040”, pontuou André Facó, diretor-presidente da Ambiental Ceará.

“Há alguns meses, estivemos aqui, celebrando uma parceria com o Governo do Estado e a Cagece para levar esgotamento sanitário a 24 municípios. Hoje, firmamos essa parceria com o Banco do Nordeste para que, junto com outros investimentos da Aegea, possamos executar essas obras nas cidades atendidas pela PPP.  Ninguém quer mais ver esgoto passando na porta de casa, ninguém quer ver mais uma criança doente por falta de esgotamento sanitário. E este entendimento com o governo do Ceará, por meio dessa parceria pioneira, somando com o Banco do Nordeste nesse investimento, vai fazer com que essa transformação aconteça”, salientou Renato Medicis, vice-presidente para o Norte e Nordeste da Aegea – empresa controladora da Ambiental Ceará e líder em saneamento privado no Brasil.

“A consolidação deste financiamento reflete o foco em projetos com sustentabilidade financeira e social da Aegea e de suas operações, como a Ambiental Ceará. Iniciativas como esta só são possíveis devido à capacidade da companhia em estruturar projetos com disciplina financeira que, reconhecidamente, são característica da companhia”, afirmou André Pires, CFO da Aegea. 

“Este investimento reforça o papel do banco na busca por soluções impactantes para questões cruciais em sua área de atuação, como a melhoria do saneamento básico na região Nordeste”, argumentou o presidente do Banco do Nordeste, Paulo Câmara, ressaltando a importância do financiamento à Ambiental Ceará. Segundo ele, o recurso destaca o compromisso do BNB em apoiar iniciativas que promovam o desenvolvimento socioeconômico e a sustentabilidade ambiental.

O presidente da Cagece, Neuri Freitas, destacou o papel dos agentes financiadores para o alcance das metas de universalização. “Esse financiamento junto ao BNB é fundamental para que possamos atingir as metas pactuadas no Marco Regulatório do Saneamento, especialmente no que diz respeito ao esgotamento sanitário. Nosso objetivo é buscar, cada vez mais, alternativas de parcerias e fontes de financiamento para garantir os serviços de saneamento básico para toda população até 2033. A PPP do Ceará é um exemplo efetivo do nosso compromisso com o povo cearense”, destacou Neuri.

A solenidade contou, ainda, com a presença do vice-presidente da Aegea para o Norte e Nordeste, Renato Medicis; a superintendente estadual do Banco do Nordeste, Eliane Brasil; a deputada federal Fernanda Pessoa; a deputada estadual Jô Farias; além de prefeitos das cidades beneficiadas e secretários de Estado.

PPP do esgotamento sanitário

Por meio da Parceria Público-Privada (PPP) firmada com a Cagece, a Ambiental Ceará é responsável pela ampliação, operação e manutenção do sistema de esgotamento sanitário em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. A PPP atende 4,3 milhões de cearenses e, ao todo, R$ 6,2 bilhões serão investidos em obras. A PPP visa promover o avanço do esgotamento sanitário para 90% da população até o ano de 2033, avançando para 95% em 2040.

A Ambiental Ceará já implantou quase 50 km de novas redes de coleta de esgoto, viabilizando a conexão de mais de 32,7 mil imóveis ao sistema de esgotamento sanitário, nas cidades das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri, incluindo a Capital. A empresa também realizou melhorias nas Estações de Tratamento e Elevatórias de Esgoto (ETEs e EEEs), cuja operação é acompanhada, 24h por dia, a partir dos Centros de Operação Integrada (COI), instalados em Fortaleza, Maracanaú e Juazeiro do Norte.

Ambiental Ceará reúne lideranças no lançamento do Afluentes em Fortaleza

Postado por ambientalceara em 10/dez/2023 - Sem Comentários

O programa cria um canal aberto e direto entre a empresa e a população e está sendo executado em 24 municípios

Iniciativa que estreita o relacionamento entre a Ambiental Ceará e a comunidade, o programa Afluentes foi oficialmente lançado, em Fortaleza, na manhã do sábado (9), na Estação de Pré-Condicionamento de Esgoto (EPC) da Av. Leste Oeste. O encontro reuniu mais de 300 lideranças de comunidades dos 39 territórios da capital cearense para um momento de aprendizado sobre esgotamento sanitário.

O programa Afluentes é executado em todas as concessionárias da Aegea – empresa controladora da Ambiental Ceará e líder em saneamento privado no Brasil – e, por meio do contato com lideranças, aproxima as equipes dos moradores, permitindo que conheçam mais a fundo as necessidades de cada local e recebam sugestões acerca dos serviços prestados. Dessa forma, o Afluentes é, também, uma ferramenta que integra o dia a dia da operação.

“Estamos muito felizes com esse comprometimento de sermos embaixadores da saúde. Reunimos pessoas dos 39 territórios de Fortaleza para se conhecerem, dividirem conhecimento e mostrar a força que temos quando estamos juntos.  Cada pessoa cadastrada no Afluentes nos ajuda na missão de levar a saúde para os bairros. Somos, todos, agentes da dignidade”, enfatizou a diretora de Relações Institucionais da Ambiental Ceará, Águeda Muniz. Segundo ela, a empresa não é somente uma realizadora de obras de esgotamento sanitário, mas vive a operação desse sistema diariamente junto às pessoas. Além de Águeda Muniz, o evento contou com a presença do diretor-presidente da Ambiental Ceará, André Facó, e do diretor de Operações, Fernando Lima. 

Moradora do bairro Passaré, Margarete Barbosa, 60, não escondeu a emoção ao falar sobre a transformação que vai passar em breve, com a chegada do esgotamento. “Eu até me emociono, porque era o meu sonho. Você ver uma caixinha de esgoto na porta da sua casa sem precisar chamar ninguém para retirar a fossa, vai ser muito bom”, disse. Ela avaliou positivamente a aproximação das lideranças comunitárias com a Ambiental Ceará. “O evento mostrou que a empresa quer um contato mais direto com os representantes dos bairros, pois nós é que sabemos como as intervenções podem acontecer. Eles se mostraram abertos a esse diálogo e vai ser muito importante para o sucesso das obras”, completou.

Moradora do Passaré, Margarete Barbosa se emocionou ao falar da expectativa da chegada do esgotamento sanitário no bairro onde mora. Foto: Esdras Nogueira/Ambiental Ceará.

Quem também estava no encontro era Francinete Cabral, mais conhecida como Dona Nete, 80, moradora do Pirambu há 56 anos e uma das primeiras catadoras de lixo de Fortaleza. “É importante escutar. Um dia, vamos  encher a boca e dizer que somos de Fortaleza, e mostrar ao mundo a força desse nome. Ninguém paga pelo sonho. Afluentes é o rio pequeno que vai para o mar. Por isso sonho que Fortaleza saia na frente desse projeto Afluentes”, celebrou.

Jornada de confiança

O evento na EPC foi a consolidação de uma série de encontros realizados em Fortaleza, e que tiveram início em setembro deste ano. Ao longo de mais de dois meses, foram diversas rodas de conversas, sensibilizando as lideranças comunitárias e reforçando o papel deles como disseminadores dos benefícios relacionados ao esgotamento sanitário.  

O programa Afluentes está sendo executado nas 24 cidades contempladas pela Parceria Público-Privada firmada entre Ambiental Ceará e Cagece, visando garantir que, até 2033, estes municípios tenham 90% de cobertura de esgoto. Ao longo da operação, o Afluentes vai promover, também, reuniões periódicas com a comunidade, onde são apresentados balanços dos investimentos e ações desenvolvidas. Além disso, esses encontros são oportunidades de esclarecer dúvidas e ouvir as solicitações da comunidade.

O evento na EPC foi a consolidação de uma série de encontros realizados em Fortaleza, e que tiveram início em setembro deste ano. Foto: Esdras Nogueira/Ambiental Ceará.

PPP do esgotamento sanitário

Por meio da Parceria Público-Privada (PPP) firmada com a Cagece, a Ambiental Ceará é responsável pela ampliação, operação e manutenção do sistema de esgotamento sanitário em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri. A PPP atende 4,3 milhões de cearenses e, ao todo, R$ 6,2 bilhões serão investidos em obras. A PPP visa promover o avanço do esgotamento sanitário para 90% da população até o ano de 2033, avançando para 95% em 2040.

Universalização do saneamento pode gerar R$ 15 bilhões em ganhos até 2040 para 25 cidades no Ceará

Postado por ambientalceara em 27/nov/2023 - Sem Comentários

Os dados, extraídos da pesquisa do Instituto Trata Brasil, foram apresentados no seminário Conexão Ambiental, realizado nesta segunda-feira (27), em Fortaleza

Os benefícios diretos e indiretos da universalização do saneamento básico devem gerar cerca de R$ 15 bilhões em ganhos socioeconômicos, entre 2023 e 2040, nos 25 municípios cearenses com atuação da Aegea, empresa líder em saneamento privado no Brasil e que opera no estado por meio da Ambiental Ceará e Ambiental Crato. Os dados foram obtidos com a pesquisa “Benefícios Econômicos da Expansão do Saneamento no Ceará”, realizada pelo Instituto Trata Brasil, em parceria com a Ex Ante Consultoria, e consideram a ampliação do acesso aos serviços de água tratada e de coleta e tratamento de esgoto.

Os resultados foram apresentados, nesta segunda-feira (27), durante o seminário Conexão Ambiental realizado na sala IMAX do cinema do Shopping Iguatemi Fortaleza. “Essas 25 cidades concentram um pouco menos da metade de todos os ganhos que o Ceará inteiro vai ter com a universalização do saneamento. Ou seja, elas serão fundamentais para impulsionar os benefícios no estado. E esse é um ganho que não se encerra hoje, ou em 2040, ele vai continuar refletindo em melhorias. Nosso sonho é que as crianças que vão nascer daqui a uma década nem saibam que um dia faltou saneamento no Ceará”, argumentou o presidente do Instituto Aegea, Édison Carlos, durante o evento.

“Uma das formas de tangibilizar os benefícios do saneamento é falar do impacto direto na saúde das pessoas. Investir nisso é investir em saúde preventiva”, evidenciou a presidente do Instituto Trata Brasil, Luana Pretto. Segundo ela, para todo o Ceará, os ganhos socioeconômicos oriundos da ampliação do acesso à água tratada e à coleta e ao tratamento de esgoto devem somar R$ 36,8 bilhões até 2040 – dos quais, R$ 15,1 bilhões virão das 25 cidades cearenses atendidas pela Ambiental Ceará e Ambiental Crato. “O saneamento básico pode ser a grande força motriz de transformação social do estado”, disse Luana. 

Atuação da Aegea

Em 24 municípios das regiões metropolitanas de Fortaleza e do Cariri, a universalização do esgotamento sanitário é responsabilidade da Ambiental Ceará, por meio de Parceria Público-Privada firmada com a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece). A empresa vai garantir acesso à coleta e ao tratamento de esgoto para 90% da população dessas cidades até 2033, avançando para 95% em 2040.

A PPP contempla Fortaleza, Aquiraz, Caucaia, Cascavel, Chorozinho, Eusébio, Guaiúba, Horizonte, Itaitinga, Maracanaú, Maranguape, Pacajus, Pacatuba, Paracuru, Paraipaba, São Gonçalo do Amarante, São Luís do Curu, Trairi, Barbalha, Farias Brito, Juazeiro do Norte, Missão Velha, Nova Olinda e Santana do Cariri. Serão beneficiados 4,3 milhões de cearenses e investidos R$ 6,2 bilhões em obras.

“Por meio da nossa eficiência operacional, investimentos em infraestrutura e relacionamento com a população, vamos ampliar o sistema de esgotamento sanitário nessas 24 cidades, trazendo melhorias na saúde, mais condições de geração de emprego e renda, e vários outros benefícios que vão além do que costumamos associar ao esgotamento sanitário. O grande programa de combate à vulnerabilidade social tem que começar pelo básico, que é o saneamento”, destacou o diretor-presidente da Ambiental Ceará, André Facó. O abastecimento de água destas cidades segue como responsabilidade da Cagece.

Na cidade do Crato, a concessão dos serviços de coleta e tratamento de esgoto é operada pela Ambiental Crato desde 2022, com o objetivo de universalizar o sistema de esgotamento sanitário para 90% da população até 2033. No município, o abastecimento de água segue em responsabilidade da Sociedade Anônima de Água e Esgoto do Crato (Saaec).

“Quando iniciamos a operação, em agosto de 2022, a cidade possuía apenas 3% de esgoto coletado e tratado. Hoje, esse percentual já chegou a 25%, após os investimentos realizados e termos colocado em operação cinco Estações de Tratamento de Esgoto. Além disso, temos como missão hidrometrar toda cidade, bem como padronizar as ligações de água até 2025, garantindo, assim, um consumo consciente por parte de toda população”, explicou a diretora-presidente da Ambiental Crato, Carolina Serafim.

Segundo a pesquisa do Instituto Trata Brasil, os R$ 15 bilhões previstos para essas 25 cidades, entre 2023 e 2040, correspondem a todos os ganhos que serão obtidos com benefícios diretos da ampliação e manutenção do saneamento básico, como a realização de obras e a operação do sistema; e as melhorias indiretas da universalização, a exemplo da redução com os custos em saúde e as rendas geradas com valorização imobiliária e atividades turísticas. Por ano, esses ganhos devem somar mais de R$ 892 milhões para as 25 cidades em questão.

O evento também promoveu o diálogo sobre o papel das entidades representativas no acesso ao saneamento básico. A pauta foi debatida entre o diretor-presidente da Ambiental Ceará, André Facó; o diretor de Gestão de Parcerias da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), Luciano Arruda; o conselheiro da Agência Reguladora do Estado do Ceará (Arce), Jardson Saraiva Cruz; o promotor de Justiça Ronald Fontenele Rocha; e o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL), Assis Cavalcante.

Impactos por área

Saúde

A ausência de coleta de esgoto traz problemas à saúde, com a incidência das doenças de veiculação hídrica e as enfermidades transmitidas por mosquitos. As doenças causadas pela falta de água tratada e ausência do sistema de coleta e tratamento de esgoto acarretam prejuízos financeiros, com despesas privadas e públicas de saúde; e também prejudicam o mercado de trabalho, com o afastamento das pessoas de suas atividades profissionais.

A universalização do acesso à coleta e ao tratamento de esgoto e da distribuição de água tratada, nas 25 cidades cearenses atendidas pela Aegea, deve reduzir em R$ 512 milhões os custos com saúde, entre 2023 e 2040. Esse montante equivale a mais de R$ 30 milhões por ano, economizados pela redução de despesas com internações por doenças de veiculação hídrica e doenças respiratórias; e também com a diminuição do custo associado a horas pagas e não trabalhadas por profissionais afastados devido a essas doenças.

Produtividade

Trabalhadores que residem em áreas sem saneamento básico têm a saúde mais precária e, com isso, acabam tendo um desempenho produtivo pior no mercado de trabalho e menos sucesso na carreira profissional. Isso acarreta, ainda, a diminuição da renda que eles podem obter.

Aqueles que moram em áreas com sistema de esgotamento sanitário têm salários, em média, 4,9% maiores do que os trabalhadores residindo em regiões sem esse tipo de serviço. Já o acesso à distribuição de água tratada está relacionado a remunerações 5% mais altas do que as pagas às pessoas sem esse serviço, segundo a pesquisa do Instituto Trata Brasil.

O impacto da universalização do saneamento no mercado de trabalho, considerando as 25 cidades atendidas pela Aegea, será expressivo: a previsão é de que o aumento da produtividade dos trabalhadores gere R$ 7,3 bilhões, entre 2023 e 2040, o que corresponde a um ganho anual de mais de R$ 434 milhões. 

Valorização imobiliária

Uma residência construída em área com saneamento básico, e devidamente conectada à rede de distribuição de água tratada e ao sistema de coleta e tratamento de esgoto, tem o valor elevado em mais de 35%, em comparação com as que não são ligadas a esses sistemas, de acordo com os dados da pesquisa do Instituto Trata Brasil. 

Nesse contexto, estima-se que o ganho para os proprietários de imóveis que alugam ou vivem em moradia própria, nas 25 cidades cearenses atendidas por operações da Aegea, será superior a R$ 879 milhões, entre 2023 e 2040. Por ano, o rendimento é estimado em R$ 51,7 milhões. 

Turismo

A degradação ambiental causada pela falta de um sistema de coleta e tratamento de esgoto afasta os turistas, reduzindo as oportunidades de geração de negócios, emprego e renda nesse setor. Com a universalização do esgotamento sanitário, e a consequente despoluição de rios e córregos; e com a ampliação da oferta de água tratada, as atividades turísticas nas 25 cidades cearenses com operações da Aegea têm potencial de gerar R$ 1,5 bilhão, entre 2023 e 2040. Esse valor corresponde a R$ 91 milhões por ano. 

Geração de renda

A expansão do saneamento resulta em investimentos na construção civil, que geram empregos diretos, indiretos e induzidos. Além das obras, a própria operação do sistema de saneamento gera emprego e renda. Os dados do Instituto Trata Brasil consideram, ainda, os impostos coletados a partir dessas atividades.

Nesse contexto, os benefícios diretos da universalização do saneamento básico nas 25 cidades cearenses com operações da Aegea devem somar R$ 19,3 bilhões, entre 2023 e 2040, o que equivale a um ganho de R$ 1,1 bilhão por ano.       

Benefícios socioeconômicos

Entre 2023 e 2040, as 25 cidades cearenses em que a Aegea atua deverão somar, segundo o Instituto Trata Brasil, R$ 29,6 bilhões em benefícios, sendo R$ 19,3 bilhões de benefícios diretos (renda gerada pelo investimento e pelas atividades de saneamento e impostos sobre consumo e produção recolhidos) e cerca de R$ 10,3 bilhões devido à redução de perdas associadas às externalidades. 

Os custos sociais no período devem somar R$ 14,5 bilhões. Assim, os benefícios devem exceder os custos em quase R$ 15,1 bilhões, indicando um balanço social bastante positivo. Essa relação indica que para cada R$ 1 investido em saneamento, as 25 cidades em questão devem ter ganhos sociais de R$ 3,4. 

Benefícios pós-2040

O legado da universalização do saneamento básico, nas 25 cidades atendidas pela Aegea, calculado a partir de 2040, está estimado em R$ 861,7 milhões anuais em benefícios sociais. Esse montante considera os ganhos com benefícios diretos e a redução de perdas devido às externalidades, já descontado dos custos sociais associados ao setor.